BIG BAND DE HAL MCINTYRE

Harold William McIntyre (Hal McIntyre), foi destacado saxofonista da banda do trombonista Glenn Miller, entre 1937 e 1941. Apoiado financeiramente por Miller, em 1942 formou a própria corporação musical, sendo contratado pela gravadora Circle Records, ao iniciar as atividades nos circuitos de entretenimento dos EEUU. Presença em salões de baile, teatros e programas de rádio. Com repertório romântico, ficou conhecida como “a banda que a América ama”. Além da gravadora Circle, Hal gravou nas etiquetas Hindsight e Collection Choice. Entre 1942 e 1959, não faltou trabalho em sua agenda. Instrumentista de timbre suave e muita personalidade. Nascido a 29 de novembro de 1914 na cidade de Crownell-Connecticut, morreu com apenas 44 anos, no dia 05 de maio de 1959 vitimado por um incêndio no edifício onde residia em Los Angeles-Califórnia. Prematura perda para a música popular norte-mericana da era das big bands e do swing.

LEE WILEY

Cantora considerada uma das deusas brancas da grande canção norte-americana dos anos 1920 e 1930, ao lado de Connie Boswell e Mildred Bailey. Lee Wiley foi casada com o pianista Jess Stacy, da banda de Benny Goodman e reconhecido como expoente do teclado na primeira metade do século XX. Ela teve uma carreira gloriosa, apresentando-se nos mais sofisticados nightclubs e teatros do país. Voz suave e timbre especial ao interpretar clássicos do cancionei ro popular norte-americano. Seu acervo fonográfico foi gravado nas etiquetas RCA Victor, Columbia e Audiophile. Lee Wiley nasceu a 09 de outubro de 1910 em Fort Gibson-Oklahoma e morreu, aos 65 anos, em New York City a 11 de dezembro de 1975. Ouçam com atenção e constatem sua alta categoria vocal.

ARTHUR PRYSOCK

Cantor negro baixo-barítono com timbre semelhante ao de Billy Eckstine, seu ídolo. Prysock nasceu na cidade Spartanburg-Carolina do Norte a 02 de janeiro de 1929 e começou a se destacar como “crooner” da black band de pianista Buddy Johnson em meados dos anos 1940. Ao iniciar carreira como solista, apresentava-se em clubes noturnos, no rádio e na televisão.
Intérprete de temas jazzísticos e românticos, Arthur Prysock deixou alentado acervo gravado nos selos Milestone, Oldtown, Mercury, Peacock, Decca e Verve Records. Prysock morreu, aos 68 anos, a 07 de julho de 1997. Excelente cantor não muito conhecido no Brasil.