Nascido em Forth Worth no Texas a 12 de fevereiro de 1914, foi o astro supremo
da inesquecível orquestra de Glenn Miller, considerado o melhor sax-tenor
branco da era de ouro das big bands; além de vocalista de méritos, tendo
gravado ao lado da lady-crooner Marion Hutton e do conjunto vocal
The Modernaires.”Chatanooga Choo, Choo”, “I Got A Girl In Kalamazoo” e
“Jukebox Saturday Night”, são os temas mais conhecidos na discografia
da banda. Nas funções de bandleader, dirigiu a Glenn Miller Orchestra entre
1946 e 1950, passando a liderar seu próprio grupo musical, de 1951 em diante.

A GRANDE CHANCE – Surgiu em 1938, ao ser convidado por Miller a
participar de sua banda, transformando-a, de uma hora para outra, em grande
atração, tocando seu instrumento em programas de rádio, bailes, shows em
nightclubs e teatros, assim como, em gravações de dezenas de discos. Um
hábil instrumentista, seu saxofone soava impecável, com tonalidade e lirismo
sem paralelos, especialmente em baladas. O apelido “Tex” foi-lhe dado por
Miller, logo nos primeiros ensaios de que participou.

Tex Beneke

A partir de sua incorporação, viveu uma fase de grande evidência com
aparições em dois filmes produzidos em Hollywood, “Quero Casar-me Contigo”
e “Serenata Azul”, ambos rodados na Fox, até setembro de 1942, quando
Miller dissolve a orquestra para alistar-se, voluntariamente nas forças
armadas. Por um pequeno lapso de tempo, Tex trabalha com o bandleader
Horace Heidt, antes de se engajar à Marinha onde lidera uma banda militar
para entretenimento das tropas acantonadas na cidade de Norman – Oklahoma.

O BANDLEADER TEX BENEKE – Com o trágico desaparecimento de Glenn
Miller (dezembro de 1944) e o término da conflagração mundial, sua viúva
Helen Miller, assessorada por um “staff” encarregado de preservar o acervo
da orquestra, convida Tex Beneke para ser o lider da banda recém criada a
“Glenn Miller Orchestra”, à semelhança da corporação militar organizada por
ele a “Army Air Force Band” entre 1943 e 1944. Uma das premissas básicas
era que a nova orquestra deveria seguir a linha musical da banda militar.
Assim, criou-se uma equipe de 31 instrumentistas com 6 palhetas
(saxofones e clarinetas), 9 metais (trompetes, trombones e french horn),
4 no ritmo (piano, contra-baixo, bateria e guitarra) e uma secção com 12 cordas,
além dos vocalistas.

INÍCIO DA TRAJETÓRIA – Após cuidadosos ensaios, faz sua primeira
apresentação pública em New York City, no Capitol Theather a 24 de janeiro de
1946, sucesso de bilheteria, faturando já na primeira semana das cinco
programadas, 110 mil dólares, uma soma considerável na época, ao mesmo
tempo em que iniciava gravações para o selo RCA-Victor. O ápice do sucesso
aconteceu em dezembro de 1947, com a temporada em Los Angeles no
Hollywood Palladium, onde uma multidão avaliada em 6.700 pessoas se
“acotovelava” no salão para dançar ao compasso harmonioso da orquestra.
Mais da metade dos instrumentistas veio da banda militar, entre eles;
Bobby Nichols (trompetista), Jimmy Priddy (trombonista) e Freddy Guerra
(saxofonista). O vocalista Artie Marvin e o conjunto vocal The Grew Chiefs
também se incorporaram à banda, sendo contratada a lady-crooner
Lilian Lane.

DIVERGÊNCIAS – Se tudo ia bem no palco, ao cerrarem as cortinas, o clima
não era dos melhores, Tex exigia do “staff” mais autonomia para poder variar
o estilo, não se limitando a tocar extritamente o “Som Miller” da banda militar.
Ele queria mover-se em outras direções, com arranjos mais ousados. As
divergências foram se avolumando até 1948, quando a secção de cordas foi
suprimida. Dois anos mais tarde, a orquestra deixou de ser oficial. Daí em
diante proseguiu como, “Tex Beneke And His Orchestra (novembro de 1950),
tocando o “Som Miller” da orquestra civil e atendendo ao chamado de
admiradores dos mais diversos recantos do país, sempre casa cheia e sucesso
garantido.

OS ANOS 60, 70 E 80 – Tex, agora com residência em Saint Louis – Missouri,
saía em constantes apresentações recrutando o remodelado conjunto vocal
The Modernaires tendo à frente Paula Kelly Jr. e também o antigo crooner da
orquestra civil de Miller, Ray Eberle. Por inúmeras vezes, apresentou-se no
Santa Monica Civic Auditorium em Los Angeles, com a platéia aplaudindo
entusiasticamente. Em 1984, por ocasião dos 40 anos da morte de Glenn Miller,
Tex Beneke e sua orquestra se apresentaram homenageando seu mestre e
amigo com uma audição inesquecível. O mestre-de-cerimônias foi o astro do
cinema Van Johnson, o local não poderia ser outro, Glen Island Casino em
New Rochelle – New York, o tempo sagrado das big bands.
Tex Beneke faleceu a 30 de maio de 2000, na cidade de Costa Mesa-California,
ao 86 anos de idade. Um músico extraordinário.

228241

Tex Beneke e sua orquestra